domingo, março 13, 2011

tudo conspirou a favor daquele amor.



   Ele disse mais uma vez que gostava dela. Mais uma vez pelo msn. Ela respondeu o mesmo que responde todas as vezes que ele faz isso: - Ah, pelo msn você fala! Mas nunca me diz isso olhando nos meu olhos. Cara a cara. E imaginou que ele responderia o que sempre responde: - Você não me dá oportunidade, quando a gente está junto. Mas não, ele não disse isso, ele disse o que ela jamais esperaria que ele fosse dizer. Ele disse: Falo sim, você quer vim aqui em minha casa agora, pra eu te falar tudo que eu te falo olhando pra você? Ela quase não acreditou no que estava escrito naquela minúscula janela do seu msn. E ficou olhando e pensando no que iria responder. Até que ele escreveu: - Você ainda está aí? Ela ainda estava em estado de choque, quase caiu da cadeira com aquilo que ela havia acabado de ler. Aquele momento estava sendo esperado a tanto tempo, ela não queria perder mais nenhum segundo, ela queria ouvir tudo que ele apenas escrevia, e nunca dizia. Foi então que ela escreveu: - Vou aí agora! Posso? E ele: - Pode sim, você não quer ouvir?! Pois vou lhe dizer. Ela ainda não acreditando muito em tudo aquilo disse: - E se eu for aí e você não falar nada? Ele escreveu logo em seguinda: - Eu vou dizer.
E ela: - Sei lá, acho que você está me fazendo de besta. Aposto que isso é um truque, e você não vai me dizer nada. 
Ele: -Você vai ter que correr o risco, se você quiser ter certeza se eu estou falando sério ou blefando.
Ela: - Então eu vou.
Ele: - Que bom! Pode ter certeza que você não vai perder nada se vim.
Ela: - Assim eu espero. Tô saindo aqui então.
Ele: - Ok! Estou te esperando.
   E ela saiu de casa quase correndo. Pegou um mototáxi e foi ao encontro dele, com o coração querendo sair pela boca, tamanha a sua ansiedade.- Finalmente! - Ela pensou. Finalmente ela iria ouvir o que tanto queria.
   Chegando lá, ele fixa os olhos nos dela, mas não consegue dizer nada. Pergunta como ela está. Ela responde. Surge o silêncio. Faz mais algumas perguntas desnecessárias a ela naquele momento, e novamente surge o silêncio. Ele abaixa a cabeça, muda a direção do olhar. Não consegue encará-la. Até que ela pergunta: - E aí, você vai dizer o que eu vim aqui para ouvir, ou não?
Ele: - Calma, estou com vergonha. Eu preciso de um tempo pra ficar à vontade e falar (e esconde o rosto atrás dela, que está sentada no sofá)
Ela: - Tudo bem, eu espero. Mas não muito. (E ri, de tanto nervosismo)
Ele tenta beijá-la. Ela recua. Ele a abraça e fala no ouvido dela: - Ah, você sabe o que eu sinto por você...
Ela: - Eu sei? Eu não sei de nada. Caso soubesse não estaria aqui.
Ele: - Tá bom eu digo.. Eu gosto de você de verdade, você é especial pra mim. Alguém que eu gosto de estar perto, que me faz bem. Claro que a gente vive brigando, mas até nessas horas eu me sinto bem do seu lado. Pronto, falei! (e fica com as bochechas ruborizadas)
Ela fica num estado de alegria tão intenso que não sabe o que fazer. E olha pra ele. E toca seu rosto. E o agradece. Depois fica em silêncio sem saber o que dizer. Ele que também fica sem saber o que fazer, pergunta: - E agora?
Ela que ficou calada desde a declaração feita, num ímpeto se levanta e diz: - E agora, eu vou embora.
Ele sem entender nada pergunta: - Como assim, vai embora? Depois de tudo que eu te disse?
E ela responde: - Sim, eu vou. Porque agora eu posso me magoar por acreditar nisso tudo que você me disse e eu não quero isso pra mim. Denovo. 
Ele a olha surpreso com o que ela diz. Ela lhe dá um beijo no rosto e se afasta para abrir a porta. Quando ela coloca a mão na maçaneta da porta e abre, ela é surpreendida por uma chuva inesperada, com pingos vindo em direção aos seus pés. Ela fecha a porta e olha pra ele, que diz: - Acho que alguém não quer que você vá embora.  Ela olha pra ele e diz: - Ah tá, essa chuva vai parar logo, você vai ver. Assim que ela fecha a boca, ouve uma trovoada e inacreditavelmente a chuva se tranforma rapidamente em uma tempestade de vento enorme. E ele olhando a chuva pela janela, diz: - Acho que tudo está conspirando a favor de nós dois. Ela olha pra ele desolada e pensa : "eu tenho que ir embora antes que eu faça alguma besteira e acabe me machucando mais uma vez " . Vendo que não há o que fazer, pois a tempestade cada vez fica mais forte, ela acaba se sentando novamente no sofá, e diz, com a cabeça abaixada: - Não sei nada sobre  essa conspiração que você está falando não, só sei que vou ter que ficar aqui mais um pouco. Ele se aproxima, levanta seu rosto e a beija demoradamente, com paixão. Ela não consegue pensar em mais nada, porque mesmo que ela pensasse em fugir dele, naquele momento, ela havia perdido todas as suas forças. Ela acaba retribuindo àquele beijo, e se entregando àquele rapaz que ela tanto ama, ali, no chão da sala. E depois de tantas carícias e juras de amor eterno, eles adormecem abraçados, ouvindo o barulhinho da chuva batendo no telhado.

2 comentários:

Phael Marques disse...

Massa, ele blefou, desafiou. E ela foi corajosa, acho que ele nunca imaginou que ela estaria ali na porta da sua casa, muito bom o texto, olha só se isso for um relato real eu paguei pau rsrsr!

Anônimo disse...

Linda historia. Me faz lembrar coisas, momentos de sonhos felizes. Qe se foram apenas deixando a saudade em um sapo fora lago

Postar um comentário