sexta-feira, dezembro 31, 2010

Para o ano novo.





   Li certa vez em um livro cujo nome não me lembro bem, mas acredito ser Pés no chão Cabeça nas estrelas, que dizia assim: Se você quer que seus sonhos se realizem, pense neles várias vezes até que consiga visualizá- los , e a cada fim de ano escreva uma lista do que você quer que aconteça de bom para você no proximo ano. Eu decidi escrever a minha lista hoje. Então lá vai...
   Eu quero saúde para ter forças para conseguir buscar o que almejo, seja o que for. Quero harmonia na minha casa. Solidariedade em minhas mãos. Aos meus pés cansados quero mais vontade de correr atrás de tudo que eu quiser. Quero menos preguiça de viver. Quero mais cabeça erguida, para não me deixar abater com nada. Quero mais auto crítica para reconhecer meus erros. Mais palavras doces a minha boca. Mais consciência a minha língua. Mais olhos mais atentos aos problemas dos que me cercam. Ouvidos mais apurados para conseguir ouvir o silêncio daqueles que clamam com pequenos gemidos. Mais caráter aos meus atos. Limpeza aos meus pensamentos. Pureza às minhas relações.
    Mais sorrisos verdadeiros, mas gargalhadas soltas. Mais ouvir e menos falar. Mais prestar antenção, mais observação. Quero fazer mais loucuras, para que a minha vida tenha um certo sentido. Menos arrependimentos. Quero um coração aberto aos mais bonitos sentimentos. Quero mais colo, para acolher e ser acolhida. Quero mais abraços que me façam sentir protegida. Quero mais ombros onde eu possa chorar minhas dores sem ser interrompida. Quero mais bons dias. Quero menos medo e mais coragem. Muito mais espontâneidade. Quero mais paixão, mais sedução, mais emoção. Quero mais trabalhos e menos empregos, para que assim eu aprenda que é preciso suar para conseguir certas coisas. Quero menos ter e mais ser. Eu quero mais friozinho na barriga, mais gargantas secas, mais pernas bambas, mais coração acelerado, mais olhares apaixonados.
   Quero mais preocupação com a natureza. Mais preocupação com o futuro do nosso planeta. Quero mais viver o hoje, e esquecer o meu passado. Quero menos pessoas que nada acrescentam. Quero ser afastada dos sangue- sugas. Quero mais dieta, mas não de comida e sim de pessoas que só fazem mal ao nosso corpo e a nossa mente, e que às vezes podem levar-nos mais rápido ao hospital do que 10 quilos de queijo no jantar. Quero menos aproveitadores. Menos pessoas que só querem me usar.
   Quero cada vez mais saúde, porque sem ela, não adianta ter mais nada. Quero mais amor próprio e mais humildade, para gerar o equilíbrio mental. Quero mais novas amizades. Quero fortalecer os laços com as amizades antigas. Quero menos mágoas, menos ressentimentos. Quero mais correr riscos. Menos juízo.  Mais perdas de memória. Menos fingimento. Menos mentiras. Menos fofocas. Quero mais e mais verdades, até eu me cansar. Quero ir durmir realizada todos os dias. Quero nunca me cansar de fazer coisas boas. Quero poder me sentir respirar. Quero me perder de vez em quando, para que eu veja se alguém quer me procurar. Quero mais é me sentir viva. Quero mais beijos de amor. Mais abraços apertados. Quero cada vez mais sonhos para sonhar, para assim eu sempre ter o que buscar. Quero mais possibilidades. Mais coragem. E se der, ainda quero mais amor para poder amar. Mas só se der, tá? Amor não é minha prioridade esse ano. Cansei de esperar. Mas mesmo assim se ele quiser chegar, assim sem eu nem imaginar.. Braços abertos ele vai encontrar.

burro.





   Eles estavam discutindo e no calor da discussão, ela soltou:
- Só pessoas burras como você, pra pensarem assim sobre isso.
Ela nem lembra porque ela o chamou assim, mas ele se enfezou e decidiu ir embora, mas antes de ir ele falou:
- É eu sou burro mesmo, mas não só por isso, você sabe porque, porque ainda gosto de você. Mas vou deixar de ser, porque vou tentar te esquecer. Assim quem sabe, você não me ache mais um burro, né?
Foi aí que ela disse:
- Agora você está realmente me mostrando o quanto você é burro. Não consegue perceber nada.
e pensou: Como alguém pode ser tão idiota?

Ele não percebe que eles brigam tanto porque se gostam demais, e não sabem como demostrar isso. Meu Deus como é burro!

quinta-feira, dezembro 30, 2010

Mentir para si mesmo.






   Os sentimentos vem e pronto, não há maneiras de conseguir fugir. É mentir para si mesmo. Não há como fingir que não gosta daquela pessoa que te faz tão bem. Não há maneiras de tentar se afastar, se seu coração só diz para você ficar perto, sentindo aquele perfume que embreaga, aquele abraço que acalma, aquele beijo que te faz tirar os pés do chão, e te faz sentir como se pudesse voar.
   Não há como fugir de alguém que você tanto quer. Não há como dizer ao coração para não amar aquele que faz ele bater mais forte, ficar descompassado. Não há como fingir que ele não bate forte toda as vezes que vocês se encontram. Não existe uma forma de fingir que você não ama aquele que te faz respirar de uma forma tão descoordenada, aquele que te deixa com as pernas bambas e a garganta sêca. Não há como fingir que esqueceu aquele que vive em seus pensamentos, desde a hora que você acorda, até a hora que se deita.
   Quando você ama alguém, não dá para disfarçar como você se sente. Você pode até tentar, mas não consegue porque qualquer pessoa percebe. A maneira de olhar para aquele que você ama é totalmente diferente. A maneira como você fala o nome dele, é especial, é única. Quando você ama alguém, não há como fugir desse amor, não há como mentir para si mesmo. É como diz aquela música: Mentir para si mesmo é sempre a pior mentira! Porque mesmo que os outros não saibam do seu amor, você sempre saberá. De si mesmo, é impossível esconder qualquer que seja o sentimento.

quarta-feira, dezembro 29, 2010

A gente sente.






   Tem coisas que a gente sente, que mesmo não acontecendo agora, vão acontecer futuramente. É assim comigo, é assim com você. É assim com a gente.

- Eu sinto. E você, será que também sente?

terça-feira, dezembro 28, 2010

sem expectativas.






   Ela não espera nada dele. Nada mesmo. Ela só vai deixando rolar. E ela sabe que quando ela começar a esperar algo dele, é quando vai começar a ficar perigoso. É nessa hora que ela vai se afastar. Porque ela sabe que sempre se magoa quando espera das pessoas. Porque ela nunca espera pouco, ela sempre espera muito, e poucas pessoas podem dar muito. Até agora ela não encontrou nenhuma dessas pessoas.
   Talvez ela não espere nada dele porque ela não gosta dele, não como gostou do outro. Como já gostou de alguns. Talvez ele também nem goste dela. Talvez eles só se sintam bem na companhia um do outro, e só. Mas ela também nem se importa se for só isso. Só isso já está fazendo ela feliz. Sinceramente falando, ela só quer mesmo é curtir os momentos bons que ele vem proporcionando a vida dela.
   Quando ela esperar algo dele, ela vai saber, é a hora de se afastar, porque talvez ele não possa lhe dar tudo o que ela necessitar. E aí, ela vai retirar o time de campo, porque ela já está cansada de levar bolada na cara. E sair derrotada. Ela está cansada de jogar e perder.
   Mas ela ainda acredita, que só por não ter expectativas nenhuma em relação a ele, em relação a eles, em relação a esse relacionamento que ainda nem começou, é que pode dar certo. Porque quando não há expectativas, não há decepções.

segunda-feira, dezembro 27, 2010

Ela continua esperando.









Ela ainda pensa nele, no abraço forte dele, no beijo cheio de sentimento, em como tudo se encaixava perfeitamente, e principalmente no quanto eles achavam que se gostavam. E eles se gostavam, talvez não o tanto que imaginavam, mas eles se gostavam de verdade, e todo mundo percebia. E foi aí que começou a incomodar algumas pessoas, e quando incomodou, as pessoas começaram a falar e eles fracos não aguentaram e preferiram se separar. Talvez ela tenha sido mais fraca que ele. Mas ele também não foi tão forte quanto ela pensava. No primeiro momento, em um certo desentendimento, ele deixou alguns pensamentos errôneos tomarem conta do seu coração, sem necessidade. E aí acabou. E cada um foi para o seu lado, como é de costume. Mas quando ela encontra ele, volta tudo à tona, e um pensamento fica corroendo por dentro. Será que ela deveria ter tentado, e enfrentado tudo e todos? Mas e se depois de tanto esforço, não desse certo, como ela ficaria? Afinal, era ela a invasora, alguém que entrou na vida dos outros sem ser convidada e sem ser bem vinda. Era ela quem mais sofreria. E ela cansou de sofrer. Por isso ela hoje acredita que talvez tenha sido melhor se afastar e esperar o sentimento morrer. E ela continua esperando. E espera conseguir, porque embora seja difícil matar alguém que está vivo, é importante que ela o faça, pelo menos em seu coração.

domingo, dezembro 26, 2010

as lágrimas nem eram para ele.






  Ele ali parado na frente dela, passando a mão na sua cabeça, tentando fazer ela se acalmar. Consolando- a sem saber o porque dela estar em prantos. Ela sabia principalmente que não era por causa dele, nem por ele, era por outro, por outro rapaz que não a merecia, não a queria, alguém que ela não mais teria. Por não poder estar nos braços desse outro, ela chorava nos braços dele. E ele alí, tão solícito, tão compreensível, tão carinhoso, tão tudo. Ela se sentindo tão perdida, tão confusa, tão triste.
   Ele não perguntou nada a ela, só a deixou chorar desesperadamente em seus braços, mesmo sem saber o motivo. Entre soluços e choros ela tentava se comunicar, mas não conseguia. E ele só dizia: Não precisa falar nada, eu não preciso e nem quero saber. Eu só quero que você se acalme. E chore o quanto quiser, porque eu só vou te deixar ir quando você estiver bem. Então não se preocupe em falar nada. E com essas palavras ele a fez sentir amparada como a muito tempo ela não se sentia. Só por estar ali, sem perguntar nada, enxugando suas lágrimas.
   Foi a situação mais rídicula pela qual ela já passou, com certeza. Ver aquele rapaz enxugando as lágrimas dela, que não eram pra ele. Ver aquele rapaz preocupado com a tristeza e o sofrimento dela, que não diziam respeito a ele. Ver aquele rapaz consolá-la de uma dor que era endereçada a outro homem, a outro amor. Tanta vergonha ela sentiu, e ainda sente. Mas às vezes ela até acha que realmente precisava passar por aquilo para descobrir que aquele rapaz é, afinal, seu melhor amigo, alguém que realmente  a conhece como ninguém, mesmo tendo passado tanto tempo distantes um do outro. Mesmo ela tendo certeza de que mudou tanto, quando ela está com ele, sempre acaba se sentindo a mesma pessoa de sempre. A mesma que ele sempre soube como proteger, como acolher, como consolar. E é nesses momentos que ela percebe que ele sempre fazerá parte do seu destino... Porque mesmo que eles se afastem, eles sempre voltarão a se encontrar.

sexta-feira, dezembro 24, 2010

A vocês meus queridos..



Eu desejo um Feliz Natal!
E que Deus ilumine os passos de cada um, 
e os permita realizar todos os sonhos que o coração de vocês almejar.
Que o espírito do bom Jesus nos faça ver a todas as pessoas com mais amor, compaixão e respeito, não só hoje mas em todos os dias de nossas vidas.
Paz & Bem!

Beijocas*

O natal dos dias atuais.




   É natal e embora seja esperado um espírito de bondade, solidariedade e amor, isso não acontece. Ninguém doa nada a ninguém, ninguém pensa em ninguém, ninguém ama com mais intensidade ninguém, só porque é natal. O espírito natalino está em extinção. O único espírito que impera nos dias atuais, é o espírito consumista. O natal nada mais é que um novo motivo para fazer compras. Não existe mais aquela tradição de passar o natal com a família toda reunida, é muito difícil ver isso. Ao invés de estarem presentes, as pessoas preferem enviar presentes, ligar, mandar mensagens, tentar se fazer presente, estando ausente. O que é impossível. 
   As pessoas só pensam em enfeitar suas árvores com um monte de penduricalhos, e só, o natal está mais bonito por isso. As crianças não acreditam mais em papai noel. Todas já sabem que o papai noel não existe. E isso é triste. Tira dessa data aquela coisa mítica bonita, de que um velhinho quase morrimbundo venha lá do pólo norte de trenó, puxado por várias renas só para entregar um presente pessoalmente para cada criança que se comportou bem o ano todo, correndo o risco de se entalar nas chaminés. Acabou a magia do natal. Acabou o que deveria sempre estar vivo.
Acabou aquele sentimento bom de ter a família unida para celebrar o nascimento de jesus, todos juntos ceiando e se alegrando. Hoje as poucas famílias que se unem nesse dia, só ficam juntas por pouco tempo, o tempo de abrir os presentes, vê se gostou e ir embora. Não tem mais aquela coisa engraçada, que sempre tem quando você encontra com parentes que quase você não vê. Não tem mais aquela tia chata que te aperta a buchecha e diz que você ainda é uma menininha, nem aquela outra inconviniente que te pergunta se você já arranjou um namorado, ou se vai ficar para titia. Nem o tio, ou avô, que encosta seu novo namorado na parede perguntando quando ele vai te pedir em casamento, mesmo que você só tenham seis meses de relacionamento. Não tem mais aquela prima invejosa que te olha dos pés a cabeça e como não tem nada melhor pra dizer, pergunta se você tá grávida ou se tá gorda, e você tem vontade de voar no pescoço dela, mas não faz isso, porque embora todos os seus parentes sejam uns chatos de galocha, eles são sua família e se importam com você. Não tem mais o perguntar, não tem mais nada, ninguém mais se importa com ninguém. Todos só pensam na hora de abrir os presentes. De começar a festa, de vestir a roupa nova. E na hora que acaba e sempre sobra aquele tantão de comida, ninguém se preocupa em quantas pessoas, nesse dia de natal, não tem o que comer, e todos jogam o resto da ceia no lixo, mostrando um tremendo egoísmo.
   O natal dos dias atuais não tem nada a ver com amor, nem compaixão, nem solidariedade, o natal de hoje só tem a ver com o consumismo exagerado.
   Todo mundo enfeita a casa, enfeita a árvore, o corpo, mas ninguém enfeita o coração.

quinta-feira, dezembro 23, 2010

o bem e o mal.




  Ele faz bem a ela. Ele faz bem porque ele a conhece como ninguém. Ele a respeita, ele a escuta. Ele conhece todas as suas facetas. E mesmo que ela seja grosseira com ele, ele não fica com raiva nunca. Ele vai embora mas sempre volta. Ele faz ela esquecer coisas que a fazem mal. Ele permite que ela seja ela mesma, sem máscaras. Ele a vê chorar e se desespera. Ele é um dos poucos que já a viu chorar. Porque ela se sente segura quando está com ele. Ela não sabe o motivo, mas ela se sente muito segura quando ele está perto. Por tudo o que ela já passou, ela deveria se sentir o contrário, mas não é o que acontece. Ela quer estar perto dele. E fim. É isso. Sem explicação. De um jeito simples.
   Ele faz mal a ela porque a faz pensar em tudo que ela já sofreu por causa dele no passado. Quando ela está com ele, algumas vezes os pensamentos ruins aparecem. O sentimento de vingança. E ela às vezes nem se recrimina por isso. Ele de certa forma mereceria que ela fosse ruim com ele. Ela tem pensamentos contraditórios quando está com ele. Ela quer magoá-lo muitas vezes. Mas não sabe porque, às vezes ela não quer vê-lo sofrer. 
    Ela se sente muito confusa quando está com ele. Com toda essa raiva e todo esse gostar misturados numa receita que não tem como dar certo, pois há ingredientes diferentes demais, e ela sabe disso. E ele também. Eles se fazem bem e mal ao mesmo tempo, e isso não tem como trazer equilíbrio. Isso é extremamente impossível.
    Ele disse certa vez, que tudo isso que eles estão vivendo pode ser apenas um sonho, mas ele quer aproveitá-lo antes que se transforme em pesadelo. Ela disse que ele estava certo, e que eles deveriam aproveitar. Ele sabe que ela não vai ficar com ele. Porque ela talvez não o ame. Talvez nunca tenha o amado. E ele sabe, mas ele quer arriscar. E ela não se importa em deixar. Porque ela não acredita que vai deixar ele a magoar. Talvez ela faça isso antes. E ele sabe disso. Então ela deixa ele tentar, se ele quiser continuar.

tem gente que fica.


   Ontem foi o aniversário dele. Dele que sempre foi e sempre será, alguém especial para ela. Ela o conheceu de verdade, a 11 dias do dia 22, que era o aniversário dele, em 2005. De lá para cá, foram muitos anos juntos, entre encontros e desencontros. Até que tudo se desencontrou...
Mas no final das contas, ele ensinou muito para ela, no que diz respeito a relacionamentos, afinal, ele foi o primeiro namorado dela. Ela ensinou muito para ele, no que diz respeito a vida, afinal, ela foi a única namorada dele que se importava realmente com ele, com a vida que ele levava. Eles aprenderam muito juntos.
   Mesmo que hoje estejam separados, ela sempre vai lembrar dele. Tem gente que fica para sempre, mesmo que não esteja de corpo presente. Um sentimento sempre vai unir os dois. Talvez por isso, vai ser impossível esquecê-lo. Porque embora longe, ele sempre vai estar perto. Ele sempre vai estar com ela. Mesmo que seja só dentro do coração.

quarta-feira, dezembro 22, 2010

O sapo com alma de príncipe.




   Ele é um sapo com alma de príncipe e não é por nada relacionado a sua beleza externa. Tá certo que ele não é um Deus grego, daqueles que deixam qualquer pessoa boquiaberta, mas tem seu charme. E um coração tão grande que dá a impressão de ser maior que coração de mãe, onde sempre cabe mais um, no dele parece que sempre cabe mais um milhão. O brilho dele é intenso, como o de um diamante. Ele tem um coração tão bonito, mas poucas pessoas sabem. Ele não se mostra para qualquer um. Ele prefere ficar ali, se encondendo atrás daquela máscara de monstro verde do pântano. E eu sei, talvez seja para não se machucar. Ele às vezes chega a ser grosseiro só para que acreditem nesse seu lado ogro. Ele se mostra totalmente desligado, de tudo e de todos. Pelo menos é o que aparenta. Mas como nem tudo que parece é, ele não é. Ele não é um sapo. Ele é um príncipe. Que mesmo vestido de sapo, não consegue por muito tempo esconder suas verdadeiras intenções, pretenções.. Não consegue fingir por muito tempo a sua marra.
   Ele sorri sempre, mesmo que sofra, isso pode até ser necessário, mas é ruim, principalmente para ele, porque quem guarda dor sofre mais. Ele se abre com poucas pessoas. Eu me sinto lisonjeada de ser uma dessas poucas. Ele sempre está feliz, mesmo que seja um pouquinho triste. Ele é tão lindo por dentro, ele poderia se mostrar mais. Para que as pessoas o conhecessem, como eu acho que o conheço. Ele não é só aquele sorriso tímido, forçado às vezes. Ele é alguém que tem um coração dentro do peito que pulsa a todo vapor. Ele é um sapo, que não precisa que uma princesa o beije para que ele seja encantado. Ele é encantado. Tudo sobre ele é mágico. Ele é uma surpresa a cada momento. Ele é um ser humano esplêndido. Ele se preocupa comigo, ele me escuta de verdade, ele me olha com os olhos mais bonitos do mundo. Ah, sapinho bunitinho, quando você vai parar de se esconder atrás desse coachar e começar a se mostrar? quando vai começar a mostrar esse seu coração para todo mundo? Quando vai espalhar esse seu sorriso por aí, esse sorriso verdadeiro que poucas vezes é visto, e que te deixa até sua orelha um pouco vermelha? Quando você vai começar a perceber que seu encanto é tamanho que me faz querer estar para todo sempre perto de você? Ah sapinho, eu nem preciso de um beijo para me sentir encantada por você. Ah sapinho, eu não vivo bem, se você não está perto. Ah sapinho, eu sinto saudade de você toda vez que você vira as costas.

terça-feira, dezembro 21, 2010

Ela também sofre.



   Ela é como todo mundo sorri, sente, chora, sofre, mas poucos enxergam. Eles só enxergam o sorriso disfarçado que ela vive exibindo por aí. Ninguém vê o quanto ela sofre quando algo não sai como ela espera. Ela é como todo mundo, ela ama, se decepciona e chora. Mas todo mundo pensa que ela não sofre. Todo mundo pensa que ela é de ferro, só porque ela veste essa carapuça. Todo mundo a vê, mas ninguém a enxerga. Será que é por que ela não se mostra? Ou será que é por que ninguém quer olhar para ela de verdade? Acho que a primeira opção funcionaria, mas a segunda cabe melhor, porque se alguém quisesse saber de verdade como ela se sente saberia, e poderia, caso quisesse, ajudá-la a enfrentar os seus problemas. Mas para quê? Se cada um tem os seus problemas para se preocupar. Por que se preocupar também com os dela? E ela tá sempre ali sorrindo, como imaginar que ela sofre. Ah, ninguém vai adivinhar. E nem precisa, é só olhar. Mas ninguém quer. Todo mundo quer ver ela feliz, todo mundo prefere pensar que ela está feliz, porque senão como ela vai poder ajudar eles a solucionar os problemas? Como ela vai dar colo quando alguém chorar? Como vai dar conselho quando alguém precisar? Como servir de ponte para alguém se aproximar de outra pessoa? Como? Todo mundo prefere pensar que ela está bem. Assim ela ajuda todo mundo. Mas ninguém se preocupa em perguntar como ela está. E se pergunta, não se importa em ouvir a resposta. É só por perguntar, talvez para alongar a conversa ou para fingir preocupação. Ninguém ouve de verdade o que ela responde. Ninguém nota no tom de voz dela, ou na sua face o quanto ela sofre. E nem precisa se esforçar muito. Porque como a mãe dela sempre diz: Ô menininha expressiva! Mostra tudo na cara. Mas ninguém vê. Ninguém quer mesmo saber.
   Às vezes ela até tenta se abrir com alguém para ver se consegue tirar dela a dor que sente. Mas não dá, porque quando ela abre a boca para dizer, sei lá, ah eu chorei ontem. Todos olham para ela e perguntam incrédulos: Você chorou? Você? Sério? Eu não acredito! Como se ela fosse uma máquina, sem sentimento. A vontade que dá nela nessas horas, é gritar: É eu sofro sabe, como todo mundo, aqui dentro também tem um coração, embora todo mundo pense que é uma pedra. E eu, eu sou uma pessoa, não uma bengala, onde todo mundo se apoia, e quando não mais precisa deixa de canto ou joga fora. Eu sinto, sinto como todo mundo. Eu sou um ser humano, embora não pareça, mas me desculpe por tentar mostrar isso agora! Mas ela se cala, e não comenta mais nada. Deixa passar. Passar aquela dor sozinha. Sofrendo para dentro. E sofrer para dentro é ruim demais. Porque vai apodrecendo tudo. Tudo mesmo. E ela vai apodrecendo junto. E como consequência desse apodrecimento, ela vai superando tudo e desacreditando das pessoas, dos sentimentos, de tudo. 
   Sabe qual é o maior desejo dela para esse natal? que alguém a veja e a escute de verdade. Que alguém possa curá-la dessa doença que é se sentir só, no meio de tanta gente. Que alguém a recupere, pelo amor de Deus! Ela quer alguém que cure as feridas dela, porque ela já cansou de curar as dos outros. E não ter nem um pingo de gratidão. Ela quer amor, por favor! Que alguém a ame, se ela merecer esse presente. Mesmo que esse amor, seja mais amigo, mesmo que ele seja só um amor amigo, ela só quer alguém que se importe, e que tente curar suas dores também, que a faça pensar que ela não está mais sozinha, nesse mundão de meu Deus. Ela só quer que alguém enxergue o seu coração, não só o seu sorriso.

segunda-feira, dezembro 20, 2010

Amor de verdade.





   É pobre o amor que se mede, amor de verdade não precisa ser medido, não existe fita métrica que consiga chegar a exatidão daquilo que é sentido. É amor e pronto, não existe isso de pequeno ou grande, forte ou fraco. Se é amor, é indescritível o tamanho e a intensidade.
   É pobre o amor que se acaba ou se enfraquece pela distância ou pelo tempo. Não é amor aquele que acabou. Amor que é amor, não acaba nunca. Passe o tempo que passar.
   Amor de verdade, a gente só tem um. Um de cada jeito. Amor de mãe, amor de amigo, amor de irmão, amor de namorado, noivo, marido. Todos os amores são diferentes. Ninguém ama do mesmo jeito várias pessoas. Todo amor é único. 
   Acredito naquela máxima de que a gente só ama de verdade, uma vez na vida. Só há um único amor que a gente vai carregar a vida toda, para onde a gente for. Esse amor não acaba com a distância, nem com o tempo, nem com brigas, por mais feias que sejam. Esse amor não acaba, mesmo que você e o outro se casem com outras pessoas, sejam felizes com outras pessoas, esse amor não acaba. E você descobre isso quando depois de milhares de anos você encontra aquela pessoa que você amou, (porque você sempre acha que não ama mais), e aí descobre que você sente o mesmo friozinho na barriga quando ele olha para você, ou quando você olha para ele, o mesmo coração acelerado quando ele chega perto, a mesma garganta seca quando você tem que falar com ele e não sai nada.
   Amor de verdade não passa, não diminue, não acaba. Amor de verdade, mesmo que não se concretize, fica ali guardado no peito para sempre, mesmo que o para sempre não exista.

sábado, dezembro 18, 2010

ela não deixou nada.







   Ela estava saindo da casa dele, e falou: Eu acho que não tô esquecendo nada. Será que eu tô deixando alguma coisa aqui?
   Ele: Só meu coração despedaçado.

Foi bonito, mas depois ela descobriu que era mentira. 
Ela não tinha deixado nada. Além é claro , de deixar ele a usar.



sexta-feira, dezembro 17, 2010

procure perceber.





   A verdade é que quando você está apaixonado, apesar de você saber que não deve criar expectativas, você acaba sempre criando, já é sina dos apaixonados. Ninguém que esteja completamente apaixonado por outra pessoa, está livre desse carma.
   Você sempre acha que nada pode te impedir de ser feliz com tal pessoa, mas algumas vezes você erra, porque sempre existe algum motivo. Às vezes somos nós mesmos que acabamos sabotando a nossa felicidade. Um dos principais erros que cometemos quando estamos apaixonados é colocar a nossa felicidade nas mão do outro. Outro erro, é ficar cego às coisas que estão na nossa cara. Muitas vezes a pessoa por quem nós nos apaixonamos nos dá sinais de que não quer estar conosco, mas nós não vemos, porque quando estamos apaixonados, só enxergamos o que queremos. Outro erro que cometemos é culpar as pessoas por não nos amarem. Ninguém é obrigado a amar alguém, só porque esse alguém o ama. Ninguém é obrigado a nada.
   Eu, depois de tanto me machucar por cometer esses erros, aprendi que a minha felicidade não depende de ninguém, o que já é um bom começo. Aprendi também a me ater mais ao que a pessoa diz, do que ao que a pessoa faz, assim eu não fico vendo coisas onde não há. Eu escuto, e estudo em minha cabeça o que a pessoa quis dizer com aquilo, para que eu não me magoe depois por ter entendido errado, e não porque a pessoa não me avisou. As nossas expectativas, são na maioria das vezes, diferente da nossa realidade. O que nós achamos que é uma coisa, na verdade é outra, completamente diferente. Mesmo que seja difícil não criar expectativas, é bom tentar não ficar imaginando o que a pessoa quis que você entendesse quando fez alguma coisa para você, o bom mesmo, é prestar atenção no que sai da boca da pessoa quando vocês estão juntos. Para assim ter certeza se ela quer estar contigo, ou se ela está tentando te afastar, mas você não vê porque está cego de paixão e acredita que só porque ela foi carinhosa com você, ela te ama também. Só porque ela te convidou para uma festa, é porque ela te ama. Muitas vezes ela só que ser educada, ou gosta de sua companhia. Não se atenha aos sinais que você acha que a pessoa está dando, se atenha ao que ela diz, porque muitas vezes as pessoas nos avisam que não nos amam. Mas nós preferimos não ver. E no final, culpamos o outro por nos fazer sofrer.
   Às vezes nós sofremos, porque queremos. Porque fingimos não perceber.

acrescente algo sempre.






   Umas das coisas que eu mais detesto na vida, é gente sem opinião. Talvez  porque eu tenha opinião demais. Detesto o fato de sair das minhas relações sejam elas amorosas ou afetivas, tendo mudado as pessoas com as quais conviví, sem que elas em nada tenham me mudado. Eu me revolto porque praticamente ninguém chega para mim e diz: eu não gosto disso, daquilo ou daquilo outro em você. Porque você não muda nisso, ou naquilo. Porque você não faz de outro jeito, talvez seja melhor para você. Eu tenho sempre que ficar me autoavaliando. É horrível demais. Eu fico me travando para não fazer algo errado. Mas ninguém me discrimina se eu faço. Eu tenho que saber onde estão todos os meus erros. Eu tenho sempre que mudar por mim mesma, sem nenhuma ajuda. E às vezes eu mudo o que eu acho que devo mudar e não era aquilo que eu deveria. Claro que não se deve esperar ninguém para te dizer no que você deve mudar, é preciso ter autocrítica, mas às vezes é importante ter um ponto de vista que não seja o seu, para se conhecer melhor, afinal ninguém vive sozinho. E muitas vezes uma mania tua não te incomoda, mas incomoda o outro. Quem tá de fora sempre pode te observar melhor. É sempre bom ter a opinião de alguém que convive com você, sobre você. Às vezes essa opinião serve de impulso para que você se torne alguém melhor. É claro que é maravilhoso ter alguém que te diga quantas qualidades você tem, o quão inteligente você é. Mas é melhor ainda estar com alguém que te diga às vezes que você precisa mudar em tal aspecto, porque isso é sinal de que a pessoa com quem você convive está com você de verdade, porque ela te observa. Ela sabe em que você precisa melhorar. E está ali para te ajudar a crescer. É como dizem, é sempre bom, estar com pessoas que te acrescentem algo. Porque quem não acrescenta, realmente não faz diferença alguma. É o mesmo que estar sozinha.
   Por esse e outros motivos, procure acrescentar algo a alguém sempre.

Selos. (presentes cheios de carinho)














Não dá pra explicar a felicidade que eu sinto quando recebo uma mensagem da Ana (http://choquei.blogspot.com/) pedindo para que eu vá ao blog dela pegar selos. É sempre bom saber que você é lembrado por alguém especial, melhor ainda é saber que você é lembrado SEMPRE'
Obrigada pelo carinho Ana' (
Obrigada por me deixar ser um pedaço do seu mundo'
Beijos'

quinta-feira, dezembro 16, 2010

não deixe para amanhã.



   Se você ama alguém e quer se entregar a esse amor, quer ter de volta uma amizade, quer perdoar, pedir perdão. Não sei. Seja qual for sua vontade hoje, não deixe que ela passe, não espere o amanhã chegar para resolver suas pendências amorosas, sua pendências afetivas.. Não deixe para amanhã para sorrir, ser feliz, fazer alguém feliz. Não deixe nada para amanhã. O amanhã é incerto demais para se fazer planos. Não faça planos. O amanhã pode não existir. Só o hoje é definitivo, é concreto. Se for para fazer planos, que seja apenas para o segundo seguinte. Nada mais. Não faça planos para um dia que você nem sabe se vai chegar. Faça hoje. O dia de hoje, é o único dia que pode mudar sua vida inteira. 
   Amanhã, tudo pode estar completamente diferente. Amanhã, a pessoa que você ama calado, pode encontrar alguém com coragem para falar que a ama, e aí você pode perder o seu amor, que você por tanto tempo amou. Amanhã, a pessoa que você magoou, pode não mais aceitar o seu perdão. O amanhã faz nascer o orgulho. Não deixe para amanhã para se fazer presente, para alguém que te quer perto. Não deixe para amanhã para pedir outra chance. Para se dar outra chance. Não deixe para amanhã para se mostrar amigo, e mostrar que seu colo e seu ombro está ali, caso o outro precise. Não deixe nada para amanhã. Porque você pode perder tudo.

Pense nisso:


Amanhã você pode até ter o que dizer, mas pode não ter pra quem dizer.
Pensar nisso, já é horrível, imagine passar por isso? 
Não pense, faça. HOJE. De preferência, AGORA!



Eu não me canso.




   Lá vou eu, mais uma vez. Não sei, não vou saber, não dá pra entender como eu não me canso disso: Contruir, Destruir, Reconstruir.. E viver tentando, e tentando que algo dê certo nessa minha vida tirana. Eu sei, que o amor é como um jogo, onde às vezes ganhamos e às vezes perdemos. Mas eu acabo sempre perdendo, não sei porque. Eu sei, eu sempre sei que vou acabar me magoando, mas eu ignoro todos os sinais de alerta dados a mim, seja pela minha cabeça, seja pela própria pessoa que eu me apaixono. 
   Às vezes, até acho que gosto disso. De me apaixonar e sofrer. Sei lá, talvez eu seja meio masoquista. Talvez eu goste de sentir dor. Porque sempre dói, e eu nunca paro.. É como se eu sentisse que estou sempre me jogando, metaforicamente falando, de um prédio de 250 andares, sem paraquédas, mesmo que eu não saiba voar, e ao cair, eu sempre fique estatelada lá no chão, esperando que alguém venha me dar a mão. Na maioria das vezes ninguém vem, e eu acabo me levantando sozinha, limpando a minha roupa com tapinhas, e tentando conter o sangue que jorra do meu coração. Quase impossível, mas tudo bem. Eu sempre me recupero. Quase sempre, completamente. Quando não, eu vou fingindo que estou bem. Isso sim, acontece mais vezes. Mas eu não desisto.  
   Mesmo que eu já tenha apanhado demais da vida, eu não desisto de procurar aquele que fará feliz meu coração. Talvez eu ache que só depois de tanta dor, eu venha merecer o tal amor, o tal amor que vai me curar de tudo, que vai cicatrizar todas as feridas e me fazer sentir finalmente uma pessoa completa. Porque no fundo, no fundo eu ainda sou aquela garotinha boba, que acredita que sempre tem alguém feito para mim, que eu não sei onde está, mas que mesmo que demore muito, ainda vai chegar, e me fazer esquecer todos os garotos errados que eu conheci, e que me fizeram sofrer. E eu não me canso de esperar, esse tal alguém chegar.
 

quarta-feira, dezembro 15, 2010

Sempre rola um flash back






Toda as vezes é assim. Ela nunca termina os relacionamentos dela por falta de amor, ou de qualquer outro sentimento. Sempre acaba, e eu digo sempre mesmo, é por outros fatores. Desavenças, diferenças, interferências... Mas nunca, nunca mesmo, é por falta de sentimento. Aí o que acontece? Sempre rola um flash back. Por que? Porque quando resta sentimento, é difícil segurar. A carne é fraca. Na verdade nem é a carne, não tem nada a ver com pele, tem a ver com resquícios do que não acabou, e ficou guardado ali, dentro dela, querendo acontecer sem poder. Tem a ver com carência, saudade, vontade, oportunidade, sei lá. Realmente eu não sei explicar. Só sei que é só se bater com um ex que rola. E não dá pra segurar. Por isso que eu digo, esse negócio de pendência, não é coisa boa, faz um mal danado, dá esperança, machuca. Eu tento ensinar isso a ela sempre. Quando você decidir termina com alguém, não deixe nada para ser dito, nada por fazer. Para não deixar resto de sentimento no seu coração e no do outro. Porque quando vocês se encontrarem, vai dar aquela vontade de estar junto denovo. Aí já viu. É problema na certa. Vai rolar um flash back. Só quando ela finalmente conseguir se desvencilhar das suas pendências e dependências amorosas, ela vai experimentar a melhor e mais completa sensação de liberdade. Porque nunca se está livre e completamente sozinho quando se tem alguém no pensamento. Porque quando acontecer o encontro dos que pensam um no outro, sempre vai rolar um flash back. Um revival. E isso até que é legal, mas quando ambos sabem que não vai passar daquilo. Que é só uma recaída banal. Mas quando um dos dois acredita que pode dar certo de novo.. aí a coisa começa a complicar. Então, na maioria das vezes é melhor evitar se encontrar. Porque é difícil dizer para quem acreditou que aquilo fosse um recomeço, que só foi mais uma loucura do coração, que quase sempre perde a razão, e acaba colocando a gente em cada situação.. E aí, não tem explicação. 

Abaixo um trecho da música Loucura do seu coração - Sorriso Maroto / que fala disso, do flash back de um casal, porque ainda existe um certo sentimento:

- " Foi melhor pra nossa vida a separação,
    Era a nossa sina, andar na contramão,
    E o combinado era a gente se esquecer.
    Queria te olhar e dizer que não tenho desejo em você.
    Mas quem se envolve com ex é fadado a se arrepender.
    E se o amor acabou,
    Por que não acaba esse nosso prazer?


- Boa pergunta.


terça-feira, dezembro 14, 2010

mais presentinhos.








Ana Feitosa, você é mesmo um amor,
não é a toa que seu blog faz tanto sucesso.
Obrigada mais uma vez pela gentileza.

Saudade,

   Hoje, acordei com saudade de você, passei o seu perfume em mim, para sentir como se você estivesse aqui, meu corpo está cheirando a você, pena que não do mesmo jeito como quando você me abraçava. E quando você ia embora eu ficava sentindo seu cheiro em minha roupa.
   É bom sentir o cheiro do seu perfume em mim, mas com toda certeza seria melhor se fosse em você. Dizem que o cheiro de um perfume nunca fica o mesmo em ninguém. O cheiro sempre é diferente, porque se une ao cheiro do próprio corpo da pessoa. Hoje eu concordo com isso. Não é o seu cheiro que está em mim. É o meu cheiro com o seu perfume. O seu cheiro é diferente, é melhor. Acho que eu não gostava do seu perfume. E sim do seu cheiro, que misturado a ele, se transformava em uma fragrância única. Hoje eu vejo, mesmo que o seu perfume esteja em outra pessoa, o cheiro que eu gostava de sentir nunca vai ser o mesmo. Tô com saudade do seu cheiro. De pegar no seu cabelo. De tocar a sua nuca, e te sentir arrepiar. De ganhar o seu abraço apertado, de ficar com o corpo colado ao teu.
   Tenho sentido o seu cheiro mesmo que você não esteja aqui, como se o vento trouxesse ele para mim. Percebo impregnado na minha pele o calor do toque dos teus dedos. Que vontade que me dá sentir teu cheiro novamente e ter seu corpo quente colado no meu. Tô com saudade de você. Tô com saudade de te sentir perto de mim. Mas mesmo que esteja distante, vivendo entre outros braços, ou não. Mesmo que esteja ausente, nunca se ausentará de mim. Porque essa saudade sempre estárá aqui, se fazendo presente em mim. Sinto saudade do seu perfume, do seu toque. Sinto saudade de você.



Tô com saudade de você censurando o meu vestido,
As juras de amor ao pé do ouvido,
Truque do desejo..
Guardo na boca o gosto do beijo. (♪
(Palpite- Vanessa Rangel)


segunda-feira, dezembro 13, 2010

É muito difícil.





   Dizer para alguém que te quer tanto, que você não o quer mais. É difícil. Difícil destruir os sonhos que você ajudou a sonhar, desfazer os planos que você também imaginou realizar. É muito difícil dizer para a pessoa que você está se relacionando que não a quer mais, que acabou. É difícil, dizer que se enganou, que achou que fosse dar certo. Que achou que conseguiria levar pelo menos dessa vez, alguma coisa a sério, que chegou a pensar que poderia se apaixonar de novo. É difícil destruir os sonhos dos outros, sonhos que você, mesmo sem querer, ajudou a construir. É difícil dizer adeus a alguém que tanto te acolheu em um momento em que você estava tão carente. É difícil dizer que gosta da pessoa, só que, embora ela tenha tantas qualidades, não é quem o completa. É difícil dizer adeus a tantos momentos felizes, a aquela pessoa que deu o que você já tinha até esquecido que existia: Amor. É difícil dizer que você não consegue se envolver. Que você gosta, mas acha melhor acabar antes de sofrer. É difícil dizer que você tem medo, medo de ser feliz denovo, porque dói quando tudo acaba e só resta as lembranças boas de dias que chegaram ao fim. É difícil dizer que não é culpa sua, que você até queria que desse certo, mas você não consegue, algo mais forte, te impede. Mais difícil ainda é a pessoa que você está querendo se afastar acreditar em você. Acreditar que você realmente sente algo por ela, mas não quer fazê-la sofrer quando mais tarde, bater em você aquela paranóia de que é melhor parar por ali, porque todas as vezes que você se entrega, você sofre. É muito difícil se fazer entender. Fazer com que entendam, que você quer estar junto, mas um pouco sozinho. Porque se entregar dói demais quando não é recíproco. E ele sabe que quando ele já estiver ali todo empolgado, é ela quem vai pular do barco. E ele vai estar novamente só, com a certeza de que é sempre melhor quando nem um dos dois abandona. Mas ser abandonado sempre, já é demais para ele. E ele queria que fosse fácil mudar isso. Que fosse fácil perder o medo. Que fosse fácil se entregar. Mas é difícil.
E o mais difícil de tudo é ir embora, quando o que se queria mesmo, era poder conseguir ficar e doar seu coração para alguém amar.

domingo, dezembro 12, 2010

Eu acredito no amor.







   Acredito nesse sentimento sublime, que faz as pessoas mudarem por completo. Acredito no amor real, verdadeiro, aquele capaz de transformar pessoas de uma forma inacreditável e impressionante.
   Acredito nesse sentimento único que faz pessoas darem a vida por outras. No amor que nos faz acreditar que sempre há uma luz no fim do túnel. Nesse sentimento que faz as pessoas acreditarem que tudo é possível, que tudo vale a pena.
   Acredito de verdade nesse sentimento que faz quem o sente ficar bobo, confiar no outro de olhos fechados, andar por caminhos desconhecidos de olhos vendados, colocar a mão no fogo, e o corpo todo, se necessário. Acredito no amor que espera, para sempre, se preciso for. E que às vezes renuncia para provar que é mesmo amor. Acredito nesse sentimento tão bonito que algumas vezes é sentido, e tantas vezes é falado. Acredito no amor que faz as pessoas verem as outras com os olhos de uma criança, que não acha nada feio. Acredito no amor que torna o céu mais azul, o sol mais brilhante e o frio cada vez mais aconchegante. É nesse amor que eu acredito. No amor bonito, que é de verdade.
   Eu não acredito é nessas pessoas que banalizam esse sentimento todos os dias. É nisso que eu não acredito.
   É por causa dessas pessoas que o amor está tão desacreditado. Quem ama não mente, não omite, não esconde. Não existe necessidade de se esconder atrás de uma máscara. Porque quem ama se mostra como é de verdade, mesmo que o outro não goste do que vê. 
   Essas pessoas que usam o amor para conseguir certas pessoas como se elas fossem coisas, não deveriam existir. Porque são estas pessoas que fazem os outros perderem a fé nesse sentimento tão supremo, que existe sim, na vida real, só que é pouco visto como tal.
  Esse amor bonito existe no coração de tanta gente. Gente que tem esperança de encontrar alguém pra ser a tampa de sua panela, o chinelo para o seu pé descalço. Gente como eu, que apesar de tudo que sofreu, ainda acredita que merece ser feliz.

Novo selo.





Ana Feitosa, mais uma vez obrigada por sua gentileza, ao compartilhar comigo um novo selo.
Obrigada pelo carinho.  
Visitem o blog dela: 


Bjos

A menina que cheira a romance.



Na era da mulher independente, das mulheres que dizem: - eu dependo de mim!, das mulheres que dão as cartas do jogo,  das mulheres que dominam o mundo, está bem difícil encontrar aquelas que ainda são assumidamente românticas, que acreditam no amor. Parece que existe entre elas um certo receio (não sei se posso chamar assim) em assumir que amam e que acreditam verdadeiramente num verbo pequeno porém intenso: AMAR.
Mas  nas andanças da vida não é que  eu encontrei uma moça que cheira a romance, pois é  me deparei com uma moça romântica quase uma mocinha de novela. Eu não quero dizer que ela é do tipo antiquada estilo princesa dos contos de fadas da Walt Disney, longe disso, ela é bem moderninha tem até três tatuagens, estilosa, independente, cheia de opinião, mas todas essas características da mulher atual, não faz com que ela perca o encanto pelo amor, ela assume isso nas suas palavras, nos seus gestos, nas suas atitudes, e o mais importante no seu olhar.
Essa fé que ela tem no amor é admirável, pelas poucas  histórias de amor que ela já me contou, ela teria alguns bons motivos pra ser uma  descrente do amor, mas ela insiste em crer que existe amor de verdade, que histórias de amor acontecem na vida real com gente de carne e osso, que não são só frutos da nossa imaginação, ou apenas histórias de tv, ela acredita que o amor é pra sentir e viver na pele. E ela vive sem medo e incansávelmente nessa busca, ela tem sede amor, sede de amar. E por mais que muitos achem que seja piegas viver assim, eu não acho,  viver assim é LINDO, e ao contrário dos que pensam que ela é fria, ela  uma romântica incurável, provando toda dia que está viva e pulsante, cheirando a romance.
Phael Marques.


Esse texto foi feito por um amigo meu, que admiro bastante, e que mostrou ao fazer esse texto tão lindo e verdadeiro, que não é tão displicente assim, porque ele notou em mim, o que poucas pessoas notam, o que poucas pessoas conseguem ver.  Ele me vê com os olhos mais  bonitos do mundo. Nunca pensei que ele fosse tão observador. Obrigada Rapha, lindo o texto. Obrigada por me descrever dessa forma tão bonita e especial. Te amo, de verdade. Quero te ter pra sempre em minha vida. O blog dele é : http://phaelmarques.blogspot.com/ 
Visitem, ele é um escritor impressionante.

sábado, dezembro 11, 2010

Querido PAPAI NOEL,







   Escrevo essa carta, com a esperança que o senhor realmente a leia, preciso muito que o senhor pare de trazer, seja lá pra quem for que pedir, um único brinquedo, o CORAÇÃO dos outros. Sei que em muitas orações, e cartas que enviam ao senhor, algumas pessoas têm pedido, o coração de outras. E o senhor solícito como é, tem vindo em todo natal, entregar-lhes o que lhes pedem. Não faça mais isso. Sei que é o seu trabalho, mas não faça mais. Pessoas estão sofrendo com isso. Cada vez que o senhor acata um pedido desses, e a pessoa que pediu o tal coração não sabe brincar com ele, que é um dos mais frágeis brinquedos que existem, as pessoas acabam sofrendo. Sabe como é, né? Não, acho que o senhor não sabe, senão não continuaria fazendo isso. Será que o senhor, poderia ao menos avisar às pessoas que lhe pedem o coração das outras, para elas terem cuidado quando forem usá-lo? Sei lá, talvez se o senhor mandasse-os, em uma caixa com uma fita enorme com uma frase escrita, tipo: MUITO FRÁGIL, CUIDADO AO MANEJAR. Já seria um aviso, né? E quem avisa amigo é. Mas não sei se isso iria dar um jeito. Porque tem gente que mesmo sabendo que o coração é um brinquedo que pede muito cuidado, não se importam e acabam por quebrá-lo. Poucos sabem cuidar desse brinquedo. Então acho melhor o senhor parar mesmo de enviar. Acho que essa é a única solução mesmo. Eu já vi tantos, papai Noel, tantos corações jogados no chão. Tantos que muitas vezes o senhor entrega a algumas pessoas achando que está fazendo a coisa certa, afinal eles pediram, mas acabam despedaçados. Sei lá, acho que mudam de idéia. E os pobres donos, dos tais corações, ficam morrendo por dentro. Enquanto os corações ficam lá, quase não batendo, todo espatifado.
   Papai Noel, não estou com isso, culpando-o de tal sofrimento. Não mesmo. Mas o senhor, se torna intermédiario das tais pessoas que fazem sofrer as outras. Que tal um pouquinho de consciência? Ah, e só mais uma coisa, a última, eu juro. Não quero abusar de sua pacência. Se alguém lhe enviar uma cartinha pedindo o meu coração, por favor, não mande não. O senhor já o enviou algumas vezes e nunca deu certo. Então que tal parar de enviar? Ou sei lá, quando for enviar, perder um pouquinho do seu tempo, investigando essa tal pessoa, para ver se vale a pena o senhor mandar. Afinal, o senhor não faz nada o ano todo, não custa nada, antes de enviar, tentar descobrir o que a pessoar vai fazer com ele, se ganhar. Mas caso eu esteja querendo demais, é melhor não enviar. E outra, caso eu um dia esqueça dessa carta que te escrevo, e decida, num lapso de memória, te pedir um coração de alguém, não me envie não. E me mande uma carta, me dizendo que eu não tenho me comportado muito bem, e que não mereço esse presente tão bom. Quem sabe um dia talvez, esse ano não. E peça, que eu não me esqueça que estamos falando de um coração. E não é qualquer pessoa que o merece não.

Com amor, 

Tâmara.

Toda vez que eu sofro, chove.





Tá caindo um pé d'água lá fora, e dentro de mim. Eu queria saber, se você chora comigo lá de cima, Deus. Ou se sou eu que choro com você? Não sei porque minha alma chora, toda vez que chove assim. Nunca poderei dizer porque. Não sei porque chove, só sei qual o motivo da chuva que está dentro de mim, e que por meu olho vai descendo. Essa chuva, eu sei, é por falta de você. E a chuva continua caindo, e me dá uma vontade de ter você aqui juntinho.
Ontem eu chorei, até o dia de hoje clarear. Hoje, talvez chova, até o dia acabar. Ou até, quem sabe, minha dor passar. 
Agora só chuvisca. Tá uma chuva tão fraca. Fraca como eu. E cada vez mais fraca. Como as lágrimas que escorrem pelo meu rosto. São fracas e não conseguem levar a tristeza que está aqui dentro de mim. É, acho que vai parar de chover. Só não para essa dor que eu sinto por ter perdido você. 
Algumas pessoas são como a chuva, chegam devagarzinho em nossas vidas, como um chuvisco, vão ficando mais fortes em nossas vidas, como uma tempestade, e quando vão embora, na maioria das vezes vão acabando com a gente, como uma torrente bem forte, que sai levando tudo que vê pela frente. Ah, essas pessoas chuva, quando vão embora, deixam um vazio tão grande..
É, parou de chover. Mas minha dor ainda se encontra aqui, no mesmo lugar.  Tudo agora parece perfeito, menos meu coração que de tristeza chora. Estou enfrentando dias de chuva, mesmo que a chuva tenha parado lá fora. Tudo dentro de mim, está nublado e parece que o sol não vai aparecer, mesmo que eu esteja vendo ele brilhando lá fora. 
Eu espero que pare de chover dentro de mim. Essa chuva que tenta lavar a minha alma, transbordando através das lágrimas. Nesses dias de chuva, minha alma chora. Porque me faz lembrar, que eu não posso mais te ter. 
Preciso te esquecer. Preciso que pare de chover.. Aqui, dentro de mim.



quando se perde alguém.





Se acabou sem dor, é porque não tinha nem um pingo de amor.
Do contrário..
          


               Meu Deus, quanta dor!
Quando se perde alguém por quem você realmente se apaixonou.



sexta-feira, dezembro 10, 2010

Ele não muda.



   Ele é assim desde que era bem mais novo, ele ainda é novo, mas já passou alguns anos e ele pode ter mudado em alguns aspectos, mas não em um, bem importante: A displicência.
De acordo com o dicionário: Displicência. s.f. Disposição daquele que não tem o menor cuidado com as coisas. Indolência, descuido, descaso, negligência, indiferença.
   Ele é o que chamariam de o cúmulo da displicência. Outro detalhe que não tem no dicionário, e não raras vezes, se vê no displicente. Ele não tem o menor cuidado com as coisas, e muito menos com as pessoas. Acredita que outro dia, ele foi na biblioteca da faculdade, pediu pra uma amiga esperar ele, e ela esperou, mas ele foi de carona pra casa, enquanto ela, perdeu três ônibus esperando ele. É brincadeira? Não. Não é.
   Ele é assim. Displicente que só ele.
   Vai pra faculdade, mas sempre está AUSENTE mentalmente. Não presta atenção em nada. Não raras vezes ele conversa com alguém e no meio da conversa ele solta um "ÃNH?", e a outra pessoa fica ali se perguntando, será que ele prestou atenção em alguma coisa que eu disse? Provavelmente não. Ele só chega atrasado nos lugares, principalmente quando é importante que ele chegue o mais cedo possível. Quando diz que vai a algum lugar, todo mundo já fica na espera que ele não apareça. Ele é um ser extremamente tratante. O que ele sabe mesmo é pedir desculpa, isso ele sabe, até de joelhos. Pra não perder o charme. E sabe se defender, isso é fato comprovado, mas ele se defende de algo que é impossível. A displicência dele não tem defesa. Mas ele fica lá se fazendo de vítima: Para, que eu não sou assim. Fulano gosta de me esculhambar. E coisa e tal, e tal coisa. Mas não tem como alguém acreditar no que ele fala, todo mundo nota, mas ele é tão displicente que nem nota. Nem nota o quanto ele é notado.
   Ah displicência, absurda! Será que um dia ele muda? 
Acho que é melhor ele continuar do mesmo jeito que está. Sei lá.
   Ele não muda, mas e se ele mudar, será que alguém vai gostar? Ou será que é esse jeito dele, que faz todo mundo se aproximar?
   Ele é displicente. Talvez seja por isso, que é tão impossível não gostar dele.

   Afinal, todo mundo quer saber o motivo de tanta displicência.
Qual será?


Viver com medo, não é viver.





Se alguém fura o dedo num espinho e diz que dói bastante, você pode achar que a pessoa é uma fresca ou pode concordar que realmente pode doer. Mas saber mesmo, de verdade, você só vai saber, se você se arriscar a se ferir também com esse espinho, ou outro qualquer. O fato é que você só sabe o que acontecerá com você, se você se arriscar. Mesmo que outra pessoa tenha passado pela mesma situação. Aí sim, se arriscando, você vai ter uma opinião sobre a dor que se sente quando se fura o dedo num espinho, ou qualquer que seja a dor, a situação. E mesmo que sua opinião seja igual a de muitas outras pessoas, você sabe qual é a sua opinião. Só sua. Afinal, você se arriscou para saber.
Certa vez, meu pai me disse que eu quebraria a cara com uma pessoa que eu gostava e queria namorar. E eu lhe disse que estava disposta a arriscar. Ele me disse que tudo bem, mas que ele já tinha me avisado, e que depois não iria querer que eu viesse procurar colo nos braços dele. Porque me avisando, ele estava tentando evitar uma dor futura. E eu disse: Eu não vou fazer isso. Eu não vou querer chorar nos seus braços, se nada der certo. Pode ter certeza! E eu não fiz. No final, foi do jeito que ele falou, eu quebrei a cara. Mas não me arrependi de ter me arriscado. Porque essa foi a primeira vez que ele me permitiu sentir que eu estava viva, que eu também sentiria dores, que eu também sofreria um dia. Afinal, quantas dores futuras, ele teria que tentar evitar, para que eu chegasse ao fim de minha vida, sem sofrimento nenhum?
Foi naquele dia que eu aprendi que a vida não é um mar de rosas que eu sempre acheii que fosse, graças a superproteção dos meus pais. Foi a partir daquele dia que eu comecei a aprender um monte de coisas, e a amadurecer.
Depois daquele dia, eu percebi que aquele cuidado todo que os meus pais tinham comigo, não permitiria que eu vivesse, caso eu tivesse deixado eles continuarem com aquele medo, que eles tinham, de que eu fosse magoada. Do mesmo jeito, acontecia quando eu era criança, quando eu estava aprendendo a andar, todas as vezes que eles viam que eu estava prestes a cair, eles corriam feito loucos para que eu não me machucasse, e isso acontece com muitas outras famílias, eu sei. Mas uma ou outra vez, eles não estavam por perto, e eu acabava caindo e me machucando. E mesmo assim, eu não desistia de querer aprender a andar. Porque quando a gente cresce eles acham que depois de um sofrimento nós vamos desistir das coisas? Eles tem que nos permitir viver as nossas vidas, sem interferir, se preocupar sim, porque isso é coisa da família, mas interferir, isso não. Isso não existe. Se eles viveram suas vidas, se machucaram muitas vezes, e  creio, aprenderam tantas coisas, porque nós, os filhos, não podemos aprender também? Nós mesmos temos que aprender a lidar com nossas frustrações, com nossas tristezas, com nossos erros. Só assim nós podemos aprender alguma coisa, e nos tornar as pessoas que queremos ser. Viver tentando aprender com os erros dos outros, é impossível. Com você tudo pode ser diferente. Porque mesmo que a situação aparente ser a mesma, as pessoas envolvidas são outras, as atitudes são outras, é outro momento. É outra coisa. Enfim, tudo é diferente, por mais que se pareça igual.
Na vida, toda hora estamos correndo algum risco. Inclusive, de morrer sem ter vivido. Porque viver com medo, não é viver.

quinta-feira, dezembro 09, 2010

toda vez que choro.



Por que toda vez que choro tem que ser na sua frente? Por que toda vez que não estou bem você aparece? Será que você sente? Não sei. Mas todas as últimas vezes que chorei, você viu, como se eu precisasse mostrar pra alguém que eu não sou tão fria quanto tento aparentar. E é sempre para você que eu chego a mostrar. Será que é porque você precisa me ver chorar? Para quem sabe ter certeza que ainda resta um pouquinho do que eu fui, e você não conseguiu mudar? Será? Porque será que é só para você, alguém que eu não queria que pudesse ver, que eu mostro que ainda tenho sentimentos? É só para você que eu consigo mostrar o quanto eu sofro quando algo dá errado. Por que? Se você nem tem nada a ver com as minhas tristezas, nem com as minhas alegrias. Você foi o motivo das minhas maiores tristezas. Talvez por isso eu só consiga chorar quando você está perto. Porque querendo ou não, você me fragiliza. Talvez também seja, porque toda vez que choro tem a ver com sentimentos bons que acabaram, e foi por isso que eu chorei várias vezes por você. Lembra do que eu te disse aquele dia? Por mais que eu tente eu não consigo mais chorar, parece que secaram minhas lágrimas, ou sei lá, empedraram. Por mais que a minha tristeza seja profunda não consigo chorar. Sei lá. Parece que só consigo me mostrar para você. Você que não merece me ver chorar. Mesmo que não seja por você. Toda vez que choro, mostro verdadeiramente o que sou: Uma pessoa frágil,  romântica incurável. 
Toda vez que choro você pode ver, que existe muito de você em mim, e um pouco de mim em você. Toda vez que choro me encolho em seus braços, como se seus abraços pudessem me proteger. Toda vez que choro, me mostro pra você.

Todo mundo está feliz, menos ela.




     Que bom. Todo mundo está feliz por ela não fazer mais parte da vida dele. E sabe o que é legal? Ela também está um pouco feliz, não por ele (ela gostava de estar com ele, apesar de tudo), mas por agora ficar longe deles, todos que queria de alguma forma vê-los separados. E conseguiram. Todos estão vibrando de alegria. Não é bom? Sem querer ela acaba fazendo a felicidade de muita gente. E como o que pesa é a maioria, o que importa, se apenas uma ou duas pessoas estão tristes com o acontecido? A maioria das pessoas que os conhecem queriam desde o início separá-los. E nem demorou muito. Sem querer querendo, como dizia Chaves, conseguiram tudo que tanto almejavam. E ela se pergunta agora: Porque ninguém gosta dela? Porque todo mundo quer a infelicidade dela?    
    Se ela estivesse agora nos tempos de Jesus, ela com certeza seria Maria Madalena, e as pessoas que estão felizes, com toda certeza seriam as pessoas que adorariam apedrejá-la. Mas hoje, nesse tempo de agora, não tem ninguém que a defenda de nada. Ela tem qe se defender sozinha. E tentar achar graça de tudo, se for possível, isso acontecer um dia. Todo mundo está feliz afinal. Ela que sempre foi triste, vai se acostumar novamente a ser do jeito que sempre foi.  Todo mundo está feliz. Menos ela, e isso é tão normal. Nem sei porque ela sempre se surpreende com isso. Ah, acho que eu sei sim. Ela sempre confia em todo mundo. Ela é tão bobinha. Por isso vive levando na cara. Ela sempre gosta de todo mundo, mas ninguém gosta dela. E ela até que é uma boa pessoa. Mas é pouco querida, não se sabe porque. Ela até tenta ser agradável. Mas sempre tem alguém que não gosta dela. E hoje, todo mundo tá feliz, menos ela. Mas ela vai ficar feliz também, agora que não vai ter tanta gente desejando que ela não seja.


quarta-feira, dezembro 08, 2010

Os atores.



Eles se conhecem, são ótimos atores. E agora a vida proporcionou o encontro dos dois. Eles atuarão na mesma obra. Uma peça. Uma peça de amor. Uma peça muito bonita. Que vai pedir toda a dedicação dos dois. E eles são dedicados. Muito dedicados. Ensaiam por horas e horas para não fazer feio perante a platéia. Mesmo que não haja platéia, eles estão sempre encarnando os papéis que lhe cabem. Eles são atores, então é difícil saber quando começa e quando acaba a encenação. Eles são muito bons. A peça ainda nem começou, mas eles já estão nos seus respectivos lugares. Os de protagonistas. Não há atores coadjuvantes. Poucas vezes aparece algum elenco de apoio. Nada muito importante. 
Antes de começar a peça, eles trocam algumas palavras. Eles já se conhecem de outros carnavais. Quase nem se falam, há muita mágoa entre eles, mas como são profissionais, e pegaram o papel, vão ter que atuar. Mesmo que seja difícil para ambos, até mesmo se olhar. Poucas horas antes da peça começar eles decidem ensaiar. A história é tão bonita. Diferente daquela que eles tiveram um dia. Por esse motivo, eles começam a se lembrar, do que passaram na vida real, e começam a conversar. A cortina se abre e eles nem percebem, continuam a conversar, como se ninguém os observasse. Ele finge que ainda ama ela. Que finge que já não ama ele. Ele finge que não quer magoá-la outra vez e ela finge que quer que ele sofra. Ele finge que se importa com ela, e ela finge que não está nem aí pra ele. Eles são ótimos atores. Encenam um briga agora. E a platéia fica perplexa. Quanta verdade. Quanta mentira. A platéia vibra. Na discussão, ela diz que não acredita nele. Ele diz que se ela não acredita nele, tudo o que ele faz parece ser em vão. Ela finge que não se importa. Ele diz que não vai mais importuná-la. Ela finge que não sente o golpe. E a platéia fica louca, imaginando onde aquilo vai parar. Será que ele a ama. E mesmo assim vai deixá-la? Os outros pensam que se ele deixá-la agora, então a farsa vai acabar. E a peça não vai continuar. Todos ficam eufóricos para saber no que vai dar. Ele dá um passo, como se estivesse indo embora. Ela não se move. Ela não se importa. Ele volta. Ela sorri por dentro, mas o ignora. Ele diz que mesmo que ela queira ele longe. Ele não vai deixá-la. Ela sorri com desdém. Diz que não sentirá falta. Ele diz que sabe disso, e que embora ela acredite que é tudo uma mentira, ele vai prová-la que desta vez, apenas desta vez, tudo que ele diz, é verdadeiro. Ela diz que ele não precisa lhe provar nada. Que a platéia que o aplauda, pois ela não acredita nesse show. Ele vai embora fingindo estar magoado. Ela vai embora fingindo que venceu. E nessa hora, eles percebem que a vida deles, foi vista por muitas pessoas, como se fosse apenas uma peça teatral. Os dois se entreolham. E as cortinas se fecham.
E a platéia sai pensando em como a peça foi maravilhosa, e como os atores se doaram àqueles papéis. Tudo foi tão perfeito que algumas pessoas saem do teatro imaginando se aquilo tudo encenado não aconteceu realmente com o autor da peça, ou com alguém conhecido. Afinal, todo mundo percebeu, a verdade, a paixão, a raiva que os dois sentiam um pelo outro em cada ato. Tudo era tão verdadeiro, que nem parecia uma peça inventada. E realmente não foi, mas eles não sabem.
E no final, os dois atores vão embora, sem terem feito seus papéis na peça teatral. Mas com a certeza de que são bons fingidores. Afinal, encenaram uma coisa tão real.


é só um conselho.







    Mas se eu tivesse ficado, teria sido diferente? Melhor interromper o processo em meio: quando se conhece o fim, quando se sabe que doerá muito mais -por que ir em frente? Não há sentido: melhor escapar deixando uma lembrança qualquer, lenço esquecido numa gaveta, camisa jogada na cadeira, uma fotografia –qualquer coisa que depois de muito tempo a gente possa olhar e sorrir, mesmo sem saber por quê. Melhor do que não sobrar nada, e que esse nada seja áspero como um tempo perdido.Eu prefiro viver a ilusão do quase, quando estou "quase" certa que desistindo naquele momento vou levar comigo uma coisa bonita. Quando eu "quase" tenho certeza que insistir naquilo vai me fazer sofrer, que insistir em algo ou alguém pode não terminar da melhor maneira, que pode não ser do jeito que eu queria que fosse, eu jogo tudo pro alto, sem arrependimentos futuros! Eu prefiro viver com a incerteza de poder ter dado certo, que com a certeza de ter acabado em dor. Talvez loucura, medo, eu diria covardia, loucura quem sabe!”
Caio F. Abreu.

    Mas é , é isso , todo mundo deveria fazer isso aí, pular fora antes de tudo desmoronar, e só sobrar tristeza. Nada do sentimento bonito, que vocês acham tinham juntos fica, só a mais profunda tristeza. Então, para que ficar tentando e se magoando? Cada vez, a mágoa será maior. Então para que? É melhor acabar logo enquanto dá tempo de sobrar alguma coisa boa. E olha que tem certas vezes que nem dá tempo, embora o tempo seja curto. Mas é assim mesmo, tudo na vida é aprendizado, e eu como sempre, vou aprendendo. Um dia melhora. 
    Então, dê um fim. E mesmo que o fim não seja dado por você, não insista. Deixe acabar, antes que acabem com você.
    É  só um conselho, não precisa seguir. Conselho se fosse bom, não era dado mesmo. Mas fica a dica. Qualquer coisa, sei lá. Talvez você ache útil.