terça-feira, dezembro 21, 2010

Ela também sofre.



   Ela é como todo mundo sorri, sente, chora, sofre, mas poucos enxergam. Eles só enxergam o sorriso disfarçado que ela vive exibindo por aí. Ninguém vê o quanto ela sofre quando algo não sai como ela espera. Ela é como todo mundo, ela ama, se decepciona e chora. Mas todo mundo pensa que ela não sofre. Todo mundo pensa que ela é de ferro, só porque ela veste essa carapuça. Todo mundo a vê, mas ninguém a enxerga. Será que é por que ela não se mostra? Ou será que é por que ninguém quer olhar para ela de verdade? Acho que a primeira opção funcionaria, mas a segunda cabe melhor, porque se alguém quisesse saber de verdade como ela se sente saberia, e poderia, caso quisesse, ajudá-la a enfrentar os seus problemas. Mas para quê? Se cada um tem os seus problemas para se preocupar. Por que se preocupar também com os dela? E ela tá sempre ali sorrindo, como imaginar que ela sofre. Ah, ninguém vai adivinhar. E nem precisa, é só olhar. Mas ninguém quer. Todo mundo quer ver ela feliz, todo mundo prefere pensar que ela está feliz, porque senão como ela vai poder ajudar eles a solucionar os problemas? Como ela vai dar colo quando alguém chorar? Como vai dar conselho quando alguém precisar? Como servir de ponte para alguém se aproximar de outra pessoa? Como? Todo mundo prefere pensar que ela está bem. Assim ela ajuda todo mundo. Mas ninguém se preocupa em perguntar como ela está. E se pergunta, não se importa em ouvir a resposta. É só por perguntar, talvez para alongar a conversa ou para fingir preocupação. Ninguém ouve de verdade o que ela responde. Ninguém nota no tom de voz dela, ou na sua face o quanto ela sofre. E nem precisa se esforçar muito. Porque como a mãe dela sempre diz: Ô menininha expressiva! Mostra tudo na cara. Mas ninguém vê. Ninguém quer mesmo saber.
   Às vezes ela até tenta se abrir com alguém para ver se consegue tirar dela a dor que sente. Mas não dá, porque quando ela abre a boca para dizer, sei lá, ah eu chorei ontem. Todos olham para ela e perguntam incrédulos: Você chorou? Você? Sério? Eu não acredito! Como se ela fosse uma máquina, sem sentimento. A vontade que dá nela nessas horas, é gritar: É eu sofro sabe, como todo mundo, aqui dentro também tem um coração, embora todo mundo pense que é uma pedra. E eu, eu sou uma pessoa, não uma bengala, onde todo mundo se apoia, e quando não mais precisa deixa de canto ou joga fora. Eu sinto, sinto como todo mundo. Eu sou um ser humano, embora não pareça, mas me desculpe por tentar mostrar isso agora! Mas ela se cala, e não comenta mais nada. Deixa passar. Passar aquela dor sozinha. Sofrendo para dentro. E sofrer para dentro é ruim demais. Porque vai apodrecendo tudo. Tudo mesmo. E ela vai apodrecendo junto. E como consequência desse apodrecimento, ela vai superando tudo e desacreditando das pessoas, dos sentimentos, de tudo. 
   Sabe qual é o maior desejo dela para esse natal? que alguém a veja e a escute de verdade. Que alguém possa curá-la dessa doença que é se sentir só, no meio de tanta gente. Que alguém a recupere, pelo amor de Deus! Ela quer alguém que cure as feridas dela, porque ela já cansou de curar as dos outros. E não ter nem um pingo de gratidão. Ela quer amor, por favor! Que alguém a ame, se ela merecer esse presente. Mesmo que esse amor, seja mais amigo, mesmo que ele seja só um amor amigo, ela só quer alguém que se importe, e que tente curar suas dores também, que a faça pensar que ela não está mais sozinha, nesse mundão de meu Deus. Ela só quer que alguém enxergue o seu coração, não só o seu sorriso.

2 comentários:

Phael Marques disse...

Lindo texto Tami,não sei se "ela" a quem vc se refere é vc, mas pode ser, pq todo mundo quer o mesmo que ela, amar ser amado(a) de verdade além das palavras, amor em cada gesto, cada ação. Vc não tá só eu tô aqui. Saudade da sua presença. Ah essa menina da foto é linda é a Sumeer do filme né?

tamii macedo disse...

é a summer do filme sim *-*
Ainda bem que eu tenho você! c2

Postar um comentário